Thumbnail Image
Blog

A Importância do Product Owner

Neste post, compartilhamos mais conhecimento sobre o papel do Product Owner sob a visão de Flávio Lenhari, nosso Business Agility Practice Lead. Dessa vez, com enfoque financeiro.

Você deve estar se perguntando: o que o papel de Product Owner exige no sentido financeiro de um projeto? Tem tudo a ver! Vamos lá?


O momento do investimento

A pessoa Product Owner deve sempre olhar o fluxo de caixa do seu produto (ou projeto) na linha do tempo. Isso quer dizer que todo produto receberá um investimento para ser desenvolvido e entregue em um determinado período.

Investimento é quando o dinheiro sai, ou seja, uma determinada quantia é investida para um time desenvolver ou melhorar um determinado produto ou serviço por um período definido com início, meio e fim. Nas organizações, também chamamos o investimento de orçamento ou budget.

O momento do payback

Orçamento aprovado, time alocado e o projeto começa a rodar.

Em um certo momento, o time começa a entregar valor para o cliente. Por exemplo, entrega software em produção (seja em versão inicial ou apresentando novas funcionalidades) para o usuário final poder utilizá-lo, mesmo que ainda não tenha todos os recursos que o cliente aguarda. Isto é chamado de go live e, uma vez realizado, a tendência é que ocorra o payback.

Payback é o momento em que o dinheiro investido começa a retornar para o investidor, pois o produto / projeto está rodando para o que foi concebido. Em outras palavras, agregando valor para seus clientes e usuários finais.

O momento do ROI

ROI, que é a abreviação em inglês para “Return on Investment”, ou “Retorno sobre Investimento” em português, é simples de entender: é a quantia investida e que já retornou ao caixa.

No mundo financeiro, o orçamento investido é o que chamamos de Capex. É uma sigla que em inglês significa Capital Expenditure e se refere às despesas ou investimentos em bens de capital, por isso também chamamos de despesas de capital. É aquilo que a empresa adquire e investe.

Quando ocorre o go live, inicia o Opex – em inglês Operational Expenditure. Refere-se às despesas operacionais e significa que o produto entrou em operação.

Capex é investimento. Opex é operação. Certamente você já deve ter se deparado com tais siglas. É comum falarmos sobre a aquisição de um bem ou mão de obra para investir em determinado projeto ou simplesmente a terceirização do serviço que seria realizado para entregá-lo. No primeiro caso, temos o Capex e, no segundo, o Opex.

Se em Capex as despesas são utilizadas para comprar bens ou serviços, em Opexpodemos falar em garantir o custo da operação.

É comum que as empresas, no decorrer de planejamentos estratégicos e financeiros, optem entre Capex ou Opex. Otimizar o Capex de maneira inteligente em uma empresa é fazer com que rapidamente o custo de investimento de um produto seja diluído e passe a utilizar o dinheiro reservado de Opex.

A otimização de valor por meio de práticas ágeis

O que isso tem a ver com práticas ágeis e porque a pessoa no papel de PO deve entender sobre o assunto? Vamos imaginar que o produto receba um investimento (Capex), que garante uma equipe para desenvolvê-lo por um ano.

Isso quer dizer que a equipe precisa somente desenvolver e que o payback inicia somente após um ano, não registrando Opex no período? Esse time não poderia garantir um payback com 3 meses? Sim, poderia. E a pessoa que atua como Product Owner tem o papel de pensar, induzir, influenciar e guiar o time para atingir o payback o máximo e mais rápido possível.

Como um(a) Product Owner faz isso? Por meio de sprints, garantindo que o time entregue o software funcionando. Caso contrário, não estão aplicando práticas ágeis corretamente.

Como em 15 dias o time pode fazer payback? Desdobrando o projeto em etapas de 3 meses, que resultam em sprints que são entregues em 15 dias, sendo todas com metas reais. Meta real significa permitir o go live que, por sua vez, deve buscar sempre fazer o payback.

Porque é importante o payback?

Para termos sistemas ou produtos que se auto financiam sprint após sprint – olha o Capex sendo otimizado aí, gente! O Go live a cada sprint faz com que tenhamos paybackantecipado.

A medida que o produto é aceito pelo negócio, começa a depreciação do Capex. Inicia então o Opex, porque o produto já está em produção e, consequentemente, em operação.

Isso é o que chamamos de curva S. A cada investimento ou orçamento em um produto, temos uma nova curva S. E veja que bacana a curva S: o Opex garantindo a operação e o time otimizando o dinheiro do Capex. Isso é mais que entregar valor: é otimizar a cadeia de valor como um todo.

O momento da decisão entre custo de investimento e operação

Agora vamos imaginar quando o produto começa a ter problemas não previstos em produção / operação. A pessoa PO continua gerando payback e pensando no ROI ou deve atacar os incidentes em produção porque está comprometendo a curva S? Deve continuar investindo ou garantindo a operação do produto?

Eis a questão! O que for mais valioso para o contexto de cada negócio. A decisão é sempre da pessoa denominada Product Owner. Afinal de contas, é a dona do produto e não simplesmente uma redatora de user stories e organizadora de Product Backlog. Isso explica a importância do PO sob o enfoque financeiro e saúde do projeto.


Esperamos que você tenha gostado! Caso precise de ajuda para desenvolver processos de Business Agility em sua empresa, entre em contato com nossos especialistas para entendermos a melhor forma de acelerar suas entregas.